sábado, 17 de maio de 2008

Sol posto

Gasta em mim o teu desejo
e depois recolhe o rosto.
Dorme, meu sol posto.
Esquece o frio o desgosto.
Bem eu te vi, passarinho,
bem-te-vi, te mereci.
Quem não sofreu? Eu sofri.
Mas, agora, já passou,
outro dia clareou.
Dorme, esquece tudo, no sono,
viajando no infinito.
Verifica a luz da treva,
E me volta mais bonito.

5 comentários:

mp disse...

Lágrimas...

H. Henrique disse...

Nossa!

Parabéns pelas palavas!

Lindas e sensíveis!

Se quiser dê um mergulho no meu oceano, vou passar sempre por aqui.

Bjus

H. Henrique disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Lia Sophia disse...

Mp,
Obrigada pela visita, desculpe a demora em responder, mas sou blogueira de 1a viagem. Apenas agora aprendi que posso responder às tão gentis visitas aqui mesmo.
Espero que as lágrimas sejam de uma boa melancolia-Sophia. Lágrimas de poesia.
Beijos

==============
Caro H.Henrique,
Certamente será um prazer visitar seu oceano. Passe por aqui sempre que quiser.
Beijos

marcela p. disse...

Lágrimas de comoção!

Não bastasse serem belíssimos os seus poemas, invariavelmente denunciam ao coração a verdade que a lógica e o raciocínio escamotearam.

Obrigada!