domingo, 22 de junho de 2008

Vinho preferido

Foi no rastro da minha sombra
que você me descobriu.
Foi no escuro da minha treva
que você me seguiu.
Você, inspiração da minha trova,
criação da minha carência.
Você, que experimentei e saboreei,
provei e aprovei,
no reino dos meus sentidos,
desfalecidos...
Você, meu melhor banquete,
meu vinho preferido,
namorado mais querido...

3 comentários:

marcela p. disse...

§

Não canso de ler alguns de seus poemas, embora não saiba o que comentar.

É o caso deste e do "Eu quero".

São tão claros e, ao mesmo tempo, me deixam tão intrigada...


§

Lia Sophia disse...

Cara Marcela: O que, exatamente, lhe deixa intrigada?

marcela p. disse...

§

Ah, não sei direito...

Acho que o modo como falam de um sentimento tão complexo como o desejo (raiz de todas as nossas pulsões) de um modo tão claro e leve; pensei em dizer "cristalino" ou "sincero", mas ainda não é isso.

Acho que é a leveza, sim.

Ah, não sei, Lia Sophia. Não sei, mesmo.

§